Se você é vestibulando de longa viagem ou está no ensino médio e começou a prestar as provas agora, deve saber que as bancas organizadoras criam boa parte das questões com base na atualidade. Seja Fuvest, Enem, Unicamp e até os vestibulares regionais costumam a relacionar, principalmente, os conteúdos de Ciências da Natureza e Ciências Humanas com as temáticas e notícias do cotidiano.

Pensando na prova do Enem 2020, é necessário que você, caro vestibulando, perceba que a pandemia que estamos vivendo pode ser trabalhada pelo critério de interdisciplinaridade, no qual o exame usa mais de uma área do conhecimento em uma questão. Dê uma olhada na Matriz de Referências do Enem.

Sem dúvidas, questões que envolvem a pandemia atual e as que ocorreram ao longo da história marcarão presença no dia da prova. Pensando nisso, separamos alguns pandemias históricas, que marcaram a história do Brasil e do mundo, que podem cair no seu vestibular, para você já ir se preparando para as provas.

Peste de Cipriano

Essa é uma das primeiras pandemias históricas que se tem registro. Ocorreu mais precisamente em Roma durante o fim de seu império, por volta de 240 a.C e se espalhou por toda Europa, Ásia e África.

Nesse período, o Império Romano estava em guerra contra os povos do Oriente Médio e os da região norte da Europa, situação propícia para aumentar o contágio em outros territórios. Além disso, as trocas comerciais eram a principal atividade lucrativas desse período e trilhavam os mais diversos lugares dos outros continentes, contribuindo também para a contaminação de outros povos.

O nome “Peste de Cipriano” se deu por conta que o bispo São Cipriano de Cartago foi o que melhor descreveu a doença e os seus sintomas em seus registros. Não sabe qual agente biológico causou essa pandemia pela falta de conhecimento científico da época.

Vale mencionar que. durante esse período, acreditou-se que a doença que estava consumindo a população era sinal de um castigo divino. Dessa forma, muitos governantes e outros membros importantes da sociedade romana usaram esse discurso para perseguir e matar os cristãos, afirmando que eles trouxeram a “praga” e eram os responsáveis pela sua propagação.

Peste Negra

Também conhecida como Peste Bubônica por conta das crostas (bubões) que se formam pelo corpo da pessoa, a Peste Negra surgiu no século XIV como uma epidemia no continente asiático durante a expansão do Império Mongol.

A doença em si é causada pela bactéria Yersinia pestis, matando cerca de 30 milhões de pessoas apenas na Ásia.

Inicialmente, o exército da Mongólia sabia da gravidade dessa doença pelo número de pessoas que estavam morrendo no continente asiático e usou disso como uma arma biológica contra as regiões da Europa. A região de Gênova foi a que mais sofreu ataques e naquela época recebia várias rotas comerciais que vinham do Mediterrâneo, o que favoreceu a contaminação de quase todo o continente europeu.

Ainda no século XVIII, algumas cidades europeias sofriam com surtos dessa doença. Estima-se que mais de 25% da população da Europa tenha sido dizimada. É considerada a maior pandemia da história.

Gripe Espanhola

Por mais que tenha esse nome, os historiadores acreditam que essa pandemia seja de origem norte-americana. Alguns lugares do mundo já tinham indícios de epidemias ocorrendo, porém por ter ocorrido entre 1918 e 1920 (fim da Primeira Guerra Mundial), havia uma manipulação muito forte na época da imprensa dos países que estavam alinhados ideologicamente com a guerra.

Entretanto, a Espanha, que não possuía alinhamento ideológico com nenhum país, estava neutra e divulgava a situação das mortes que estavam ocorrendo no país. Por isso, o país foi totalmente retaliado por acharem que a doença tinha sido originada lá.

A Gripe Espanhola se dá pelo vírus Influenza (H1N1)  e matou cerca de 50 milhões de pessoas pelo mundo, sendo considerada a maior pandemia do século XX.

Aqui no Brasil, houveram mortes e estima-se que o vírus tenha chegado ao país por conta das equipes compostas por profissionais de saúde que eram enviados para auxiliar os outros países.

A velocidade com que essa pandemia se espalhou surpreendeu a todos. Isso se deu pelos avanços que os veículos de transporte tiveram para facilitar toda a logística de um guerra, conectando algumas partes do mundo de maneira mais rápida.

Aqui também foi a primeira vez que a população, como um todo, passou pelo isolamento social, diferente das outras epidemias e pandemias que isolavam apenas a pessoa contaminada.

Gripe Suína

A penúltima das pandemias históricas vivenciada pelo mundo, que vamos citar, e pode ser uma das opções a cair no seu vestibular. . A Gripe Suína teve origem no México quando vários pacientes começaram a apresentar quadro graves de pneumonia. Os cientistas acreditam que o início do surto começou por meio da infecção de um porco e logo depois tenha sido transmitida para o ser humano.

Os sintomas são causados pelo mesmo vírus da Gripe Espanhola, porém em uma forma mutada. A gripe chegou em alguns locais do mundo, totalizando 16 mil mortos ao todo.

O Brasil não foi tão afetado pelo vírus em comparação aos Estados Unidos, por exemplo. Mas mesmo assim. chegou ao final da pandemia com um total de 627 pessoas contaminadas pelo vírus.

Globalização, avanço científico e a propagação das pandemias

É importante que você, vestibulando, perceba que o avanço da globalização é proporcional à rapidez de propagação dos agentes causadores de uma pandemia. Com o encurtamento de distâncias, mais pessoas são contaminadas em um menor espaço de tempo.

Em contrapartida, os avanços científicos ao longo da história foram fundamentais para reduzir o tempo de duração de uma pandemia. Quando é possível conhecer o causador de problema, automaticamente identificar as maneiras de combatê-lo é um processo bem mais rápido e fácil.

Chegamos ao fim de mais um artigo. Espero que você tenha aprendido um pouco sobre o desdobramento de algumas pandemias históricas, ao longo da história, e que podem cair no seu vestibular desse ano. Não deixe de colocar esses assuntos no seu cronograma de estudos e não esqueça de dar o seu feedback nos comentários e seguir a gente nas redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter). Nos vemos no próximo post!